29 de agosto de 2016

Creme de tomate e beringela assados


O que se faz quando recebemos de presente um tabuleiro cheio de tomates coração de boi, acabados de apanhar na horta, e umas beringelas da mesma horta? Começo por me deliciar com saladas de tomate a todas as refeições. Adoro este tomate sumarento cheio de sabor e com os dois mais maduros que encontro no tabuleiro faço uma deliciosa sopa.
 



Ingredientes:
2 tomates coração de boi
1 berigela
1 cebola
1 dente de alho
Azeite q.b.
Sal q.b.
Pimenta preta moída na hora
Tomilho
Água

Preparação:
Limpar os tomates de sementes e de peles (se usar a Bimby ou outro robot de cozinha não precisa de pelar) e cortá-los em gomos grossos.
Descascar a beringela e cortá-la em rodelas.
Espalhara os legumes num tabuleiro, regar com azeite, temperar com sal e pimenta preta moída no momento e folhas de tomilho.
Deixar assar em forno pré-aquecido a 180º durante 20 a 30 minutos, envolvendo os legumes a meio do tempo.
No copo da Bimby ou numa panela colocar uma cebola coratada em pedaços, o dente de alho esmagado e todo os tomates e a beringela assados com todos os seus sucos.
Acrescentar água até quase os cobrir e deixar cozinhar em lume médio/forte durante 25 minutos (Bimby: 25 min/vel. 1/Varoma).
Quando estiver pronto triture com a varinha mágica (velocidades 3-5-7-8, progressivamente durante 1 minuto na Bimby). 
Acrescente água a ferver se estiver demasiado cremosa e rectifique os temperos.





26 de agosto de 2016

Palmieres e a gulodice de um simples pedaço de massa



Uma placa de massa folhada no congelador ... hummm. uma volta pelas minhas leituras do Feedly e vejo os palmiéres da Rita, La Dolce Rita. Pronto, está a decisão tomada e nem o calor me afasta da cozinha sem aquelas bolachinhas deliciosas estarem prontas.

O melhor é passarem pelo video da Rita, para perceberem melhor a técnica, ok? Já que posso não ter sido muito clara.




(Fonte: La Dolce Rita)
Ingredientes:
1 placa rectangular de massa folhada
Acúcar q.b.

Preparação:
Polvilhe a massa folhada com açúcar e calque com o rolo da massa. A intenção é fazer aderir o açúcar à massa sem a esticar.
Volte a massa do outro lado e repita a operação.
Com o lado mais comprido virado para si, encontre o meio da massa e dobre cada um dos lados para o centro, deixando um ligeiro espaço entre cada "folha" dobrada. Polvilhe com açúcar e calque com o rolo da massa.
Repita a operação mais duas vezes e no fim sobreponha os dois lados de forma a ficar um rectagulo estreito de massa. mais açucar de um lado e doutro e com uma faca afiada corte pedaços com cerca de 1 cm de largura.
Coloque a massa com as dobras voltadas para cima num tabuleiro coberto com papel vegetal, deixando espaço entre eles, e leve a assar em forno pré-aquecido a 170º até ficarem dourados e estaladiços. A meio da cozedura volte-os e deixe dourar do outro lado.
Deixe arrefecer e guarde numa caixa hermética.

22 de agosto de 2016

Zás trás e quase uma Pina Colada



Calor pede bebidas frescas e lanches igualmente frescos. Quem já me visita há alguns anos já conhece as minhas misturas de gelatina e iogurte que são um lanche ou uma sobremesa fresca, leve e saudável. Desta vez a experiência foi feita com a nova gelatina Alsa com pedaços de fruta: morangos, pêssego ou ananás a escolha é vossa. Não precisam de frio (embora fique deliciosa fresca) e podem andar sempre connosco na carteira para um lanche relâmpago. O nosso sabor preferido é a gelatina com ananás e foi com ela que fiz o meu lanche de ontem, para nutrir e aligeirar o calor. Ora vejam:



Ingredientes:
1 embalagem de gelatina Alsa com pedaços de ananás
1 iogurte de sabor a coco*
Raspa de lima a gosto

Preparação:
Comece por drenar o iogurte durante umas horas, vertendo-o para um passador de rede colocado sobre uma tigela. Desta forma vai retirar o soro do iogurte e deixá-lo mais cremoso.
Deite o preparado de gelatina para um recipiente e triture com a varinha mágica.
Transfira para um copo ou taça de servir e leve ao frio por cerca de 30 minutos para refrescar e solidificar um pouco.
Verta o iogurte sobre a gelatina e polvilhe com raspa de lima.
Sirva bem fresco.



* pode usar um iogurte natural, açúcarado ou não, dependendo do gosto, e depois de drenado misturar 2 colheres de chá de coco ralado

11 de agosto de 2016

Foccacia de tomate




O Verão é a estação por excelência dos tomates, não há como resistir ao coração de boi, que não dispenso para as saladas e para fazer molho de tomate para armazenar para o Inverno, como uma formiguinha, mas o tomate cereja continua a ser um dos meus preferidos e todos os anos compramos uma ou duas plantas dele para pôr em vaso no terraço e vamos colhendo à medida que amadurecem, sumarentos e cheios de sabor. Gosto deles assados, em saladas e sandes e este ano renderam-se a uma foccacia deliciosa, que fez furor na noite de S. João. 
 
Esta receita pairava por aqui há algum tempo, mas graças à eleição do tomate como ingrediente do mês pela Marta, acabou por sair das mãos da minha preguiça.  





Ingredientes:
Para a massa:
475 gr farinha T65 Espiga
1 colher de chá de açúcar
1 colher de chá de sal
 1 e 1/2 colher de chá de fermento (Fermipan)
3 colheres de sopa de azeite
275 ml água
Extras:
200 gr de tomate cereja
Alguns pés de alecrim
Azeitonas pretas q.b.
1 colher de chá de sal grosso
3 colheres de sopa de azeite

Preparação:
Coloque os ingredientes da massa na máquina de fazer pão, na ordem indicada para o programa "massa".
Quando o programa terminar retire a massa para superfície enfarinhada e corte a meio espalhe cada metade numa oval um pouco maior que a mão.
Passe para um tabuleiro untado e com o cabo de uma colher de pau faça buracos na maça e distribua por eles as azeitonas, os tomates e o alecrim.
Polvilhe com sal grosso e deixe descansar 20 minutos.
Regue com azeite e coza em forno pré-aquecido a 200º durante 15 minutos.

Dica: a massa rende 2 pães pequenos. Só fiz um pão e congelei a massa que sobrou. Vamos a ver como se vai portar quando a descongelar.
 
 

5 de agosto de 2016

Tarte deliciosa e rápida de ananás

Aqui está uma sugestão bem simples e rápida para uma sobremesa que encanta e delicia todos. Tenham um bom fim-de-semana!




Ingredientes (para 2)
2 bases de tartelete já cozinhadas (estas, por ex.)*
Crumble a gosto**
2 a 3 rodelas de ananás
Algumas sultanas douradas
3 colheres de sopa de açúcar (conforme a doçura do ananás)
1 colher de sopa de manteiga


Preparação:
Corte o ananás em pedaços regulares e coloque numa frigideira juntamente com o açúcar, as sultanas e a manteiga.
Deixe caramelizar, mexendo até o ananás dourar.
 Deixe arrefecer.
Distribua o ananás pelas tarteletes e polvilhe com o crumble.

*quando faço tartes normalmente faço em tamanho individual e utilizo a totalidade de uma receita, forrando todas as formas e cozendo-as todas. As que sobram, deixo arrefecer e envolvo em folha de alumínio e congelo. Se mais não for, uma tarte recheada de fruta fresca e chantilly ou de fruta e gelado é sempre uma sobremesa deliciosa.

** escolha a sua receita de crumble preferida, prepare-a e espalhe-a num tabuleiro sobre papel vegetal. Leve ao forno a cozinhar a 180º até dourar. deixe arrefecer, corte em pedaços se for um crumble mais denso e congele. Está sempre pronto a usar.

3 de agosto de 2016

Crumble de maçãs, mirtilos e coco


A escolha deste mês como chefe convidada do "1 mês com..." recaiu, por sorteio, sobre Donna Hay. Elegi uma boa dezena de receitas dela, para acabar por ter que escolher uma e deixar as restantes para outras oportunidades. Acreditem que é difícil escolher, mas como gosto sempre de uma sobremesa na mesa de Domingo e tinha umas maçãs para usar, mais uns mirtilos no congelador a escolha estava feita quase por si só. Os crumbles não são uma sobremesa muito consensual lá em casa, com excepção para o simples crumble de maçã, mas de vez em quando lá o consigo levar a à mesa. Digo-vos que adorei esta sobremesa (adoro crumbles...) e tem sido a minha doçura semanal (a quantidade dá para umas 6 pessoas, mas lá em casa somos 2 e 1 não aprecia por aí além...por isso, mau grado a dieta, não houve como resistir.

E quem é Donna Hay?
"Donna Hay, escolhida pela maioria, volta ao nosso canto com as suas receitas deliciosas, inspiradas, que nos mostra através das suas maravilhosas fotografias.
Com 25 livros de receitas publicados, Donna estreou este ano o seu 3º programa de televisão, Basics to Brilliance, e é uma das mais amadas aclamadas chefs e food stylists da Austrália."



(fonte: Donna Hay)
Ingredientes:
Para o recheio:
1/2 chávena (110 gr.) de açúcar em pó (só usei umas colheradas de açúcar granulado)
1 vagem de baunilha - só as sementes
4 maçãs Granny Smith (usei 3 Fuji), descascadas e cortadas em pedaços
500 gr. de mirtilos (frescos ou congelados)
Para o crumble:
1/3 de chávena (75 gr.) de açúcar em pó
2/3 de chávena (50 gr.) de coco ralado
120 gr. de manteiga derretida (usei um pouco menos, claro)
1 chávena (150 gr.) de farinha peneirada



Preparação:
Pré-aqueça o forno a 180º.
Comece por preparar o crumble: coloque todos os ingredientes numa taça e envolva-os com as pontas dos dedos (ou 2 garfos) até obter uma mistura parecida com migalhas de pão. Reserve.
Noutra taça misture a maçã, os mirtilos, o açúcar e a baunilha.
Transfira o recheio para um recipiente de forno, espalhe o crumble por cima e leve a assar por 20 a 25 minutos ou até o crumble estar dourado.
Sirva morno ou frio, simples ou com uma bola de gelado.

30 de julho de 2016

Frigideira de pota

Quando menina polvo, para mim, só na forma de filetes, mas hoje, embora continue a adorar os afamados filetes, não prescindo de um "arroz do mesmo" para os acompanhar, não resisto a um polvo à lagareiro e até cozido para juntar a uma salada gosto dele. Mas se nessa infância de comer difícil me tivessem falado em pota, eu certamente torceria o nariz, provavelmente apenas por ser "pota, credo que nome" e se não é o mesmo que polvo, não é bom, ora pois. Hoje em dia seja polvo, seja pota é sempre bem-vindo no meu prato. Que gosto mais do sabor do polvo, sim, mas a pota é bem mais económica e se for de qualidade faz-lhe igualmente o gosto, por isso não se acanhem: o que vos trago hoje é um delicioso prato de pota, mas que faço muitas vezes em casa com polvo e nunca me deixa ficar mal.



Ingredientes (para 2 a 3 pessoas, consoante o apetite e acompanhamentos):
2 tentáculos de pota congelados (ou 1 polvo pequeno com cerca de 1,5kg)
2 batatas grandes (podem usar batata doce)
1 pimento, sem sementes, fios e cortado em tiras finas (podem usar uma mistura de pimentos de cores diferentes, ainda fica melhor)
1 cebola, descascada e cortada às rodelas
1 cenoura, descascada e cortada às rodelas
1 folha de louro
1 dente de alho
Sal q.b.
Azeite q.b.
Salsa ou coentros a gosto



Preparação:
Comece por cozer a pota até ficar tenra e deixe arrefecer. Corte os tentáculos em pedaços e reserve. Não use sal nesta fase porque normalmente, quer a pota, quer o polvo já têm sal suficiente para lhes dar sabor.
Coza as batatas com a casca, bem lavadas, até amolecer mas sem cozer em demasia. Deixe arrefecer um pouco e corte em rodelas grossas.
Aqueça uma frigideira com azeite, um dente de alho esmagado e uma folha e uma folha de louro.
Aloure as batatas, de ambos os lados, até ficarem bem douradas. Reserve.
Acrescente azeite à mesma frigideira e junte os legumes, deixe alourar em lume médio, mexendo para não queimar e acrescentando azeite se necessário. Junte uma pitada de sal.
Quando a cebola estiver transparente junte a pota e envolva. Acrescente mais um bocadinho de azeite para que a mistura frite ligeiramente.
Sirva com a batata alourada, polvilhado com salsa ou coentros picados e acompanhe com uma boa salada.

Dica: se usarem o polvo utilizem a cabeça e mais alguma coisa que possa sobrar (o que duvido que aconteça) e utilize para, juntamente com a àgua da sua cozedura,  fazer uma quinoa de pota.

26 de julho de 2016

Pudim de aveia e chia com toping de pêssego



Pêssegos, sim, Marta, são uma das frutas preferidas de Verão. Pela cor, pelo aroma, pelo sabor. Nunca faltam na minha cesta, mesmo que nem sempre os possa comer em cru (provocam-me alguns problemas digestivos ... coisas que não se explicam), por isso normalmente iopto por os cozinhar, seja para uma sobremesa, seja para integrarem uma salada. Ano passado descobri-lhes a parelha maravilhosa com o cardamomo e assim, neste par, passaram a ser um dos elementos constantes dos meus pequenos-almoços. Por isso, aqui fica a partilha dos meus pêssegos tão aromáticos:



Ingredientes:
2 iogurtes naturais
2 colheres de sopa de flocos de aveia integral
1-2 colheres de sopa de sementes de chia (conforme querem uma consistência mais leve ou mais sólida)
2 pêssegos pequenos, pelados e cortados em cubinhos
1 colher de sopa de água
1 vagem de cardamomo aberta
1 colher de sobremesa de mel claro
Granola a gosto para servir (opcional)

Preparação:
Comece por misturar os iogurtes com a aveia e a chia. Mexa muito bem e eleve ao frigorífico. Volte a mexer ao fim de 10 minutos, para que os flocos e as sementes não se colem.
Num tachinho coloque os pêssegos, a água, a vagem de cardamomo e o mel. Deixe cozinhar em lume brando até o pêssego amolecer.
Retire do lume e reserve.
Na hora de servir divida por dois copinhos colocando em camadas a granola, a mistura de iogurte e o pêssego com o liquido que tiver libertado durante a cozedura.


12 de julho de 2016

O melhor almoço numa taça



Um mês delicioso com uma chefe vegetariana. Embora não prescinda da carne, nem do peixe gosto de fazer com alguma frequência refeições sem estes ingredientes. Aproveito sobretudo as refeições de marmita para o fazer, até pela simplicidade com que se podem juntar ingredientes (alguns sem necessidade de cozinhar) num prato e mesmo assim termos uma refeição completa e que nos sabe bem. A minha escolha caiu numa taça colorida, composta por ingredientes crus, que lhe dão frescura e ingredientes cozinhados com especiarias que lhe dão personalidade, tudo combinado com um delicioso molho de azeite, mel e limão. Esta não foi, no entanto, a minha primeira escolha, por isso guardada vai ainda ficar uma receita para experimentar: a afamada massa de pizza com couve-flor, mas sem ovos!

Então, a convidada deste mês é Ella Woodword e a Susana apresenta-na-nos desta maneira:

"Vinda do Reino Unido, a nossa próxima convidada é uma das food bloggers mais aclamadas e bem-sucedidas do momento. Aos dezanove anos, em 2011, viu-se confrontada com uma doença grave e altamente limitativa à qual a medicina convencional não conseguiu dar resposta adequada. Tentou por isso uma abordagem mais holística e natural e foi através de uma profunda alteração ao seu estilo de vida, nomeadamente na alimentação, que conseguiu retomar o controlo do seu dia-a-dia.
Para partilhar a sua experiência (isto é, as suas receitas) resolveu criar um blogue que rapidamente se tornou num sucesso e que resultou já em dois livros publicados internacionalmente, valendo-lhe um cunho de guru da alimentação saudável. Naquele que, pelo menos para mim, será um grande desafio, este mês teremos connosco… Ella Woodward.



(Fonte: deliciouslyella.com)
Ingrediente:
1 batata doce pequena
1 mão cheia de rucula
1/2 lata de grão de bico, escorrido
1/3 de pepino
6 tomates cereja
1/2 colher de chá de flocos de malagueta (usei uma pitadinha piripiri)
1/4 de colher de chá de canela
Para o molho:
1/2 colher de chá de mel
1/2 colher de chá de sumo de limão
3 colheres de sopa de azeite

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 180º.
Corte a batata em fatias, no sentido longitudinal.
Coloque as batatas num tabuleiro de forno e salpique com a canela, um pouco de sal e um pouco azeite.
Leve ao forno a cozinhar por cerca de 1 hora. A meio do tempo junte o grão e tempere com os flocos de malagueta e deixe cozinhar por mais 30 minutos.
Entretanto, corte o pepino e o tomate em pedaços e faça o molho, misturando os ingredientes.
Numa taça combine todos os ingredientes e sirva.
Se quiser levar para o trabalho, deixe a batata e o grão arrefecer completamente antes de juntar os restantes ingredientes e guarde num recipiente fechado.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...