24 de abril de 2015

Bolo de maçã e côco para a familia / Apple-coconut family cake



Bolos preferidos lá em casa: bolo de iogurte, bolo de laranja e bolo de maçã. Todos bolos despretensiosos, simples, doces q.b., perfeitos para um brunch ou para um lanche a acompanhar uma chávena de chá, por isso quando o Dorie às Sextas propôs um bolo de maçã para o desafio quinzenal nem hesitei e a receita revelou-se o melhor bolo de maçã que já fizemos. 

Não fiz muitas alterações, só omiti a canela e usei óleo de girassol em vez de óleo de canola e não usei o doce para cobrir o bolo porque gosto destes bolos mesmo assim, tão simples quanto possível. Ah e não usei uma forma de mola, untei e polvilhei e o bolo desenformou na perfeição: voltei-o sobre um prato e depois novamente para outro prato.



Ingredientes:
1 chávena + 2 colheres de sopa de farinha
2 colheres de chá de fermento
1/4 de colher de chá de bicarbonato de sódio
1/4 de colher de chá de canela (não usei)
1 pitada de sal
3 maçãs (descascadas e sem pevides)
2 ovos grandes (à temperatura ambiente)
1/2 chávena de açúcar + 2 colheres de chá
1/2 chávena de iogurte
6 colheres de sopa de óleo de canola (utilizei óleo de girassol)
2 colheres de chá de essência de baunilha
1 chávena de coco ralado
1/2 chávena de doce de maçã (não usei)



Preparação:
Pré-aqueça o forno a 180º.
Unte uma forma de 22 cm com aro amovível e reserve.
Misture a farinha, o fermento, a canela e o sal.
De seguida, corte as maçãs. Corte duas em pedaços pequenos e uma em fatias de 0,5cm e reserve cobrindo com pelicula aderente.
Numa taça grande bata os ovos e a 1/2 chávena de açúcar durante cerca de 1 minuto.
Junte o iogurte, óleo e a baunilha e bata novamente por mais 1 minuto.
Neste ponto, misture a farinha na massa.
Assim que a farinha estiver incorporada junte os pedaços de maçã e o côco.
Verta a massa na forma e abane-a para que a mistura se espalhe bem na forma.
Decore com as fatias de maçã e polvilhe com as 2 colheres de açúcar.
Leve a cozer por 45 a 50 minutos ou até o cimo do bolo estar dourado e ao inserir a ponta de uma faca no meio do bolo, esta saia seca.
Retire do forno e deixe arrefecer  na forma durante 20 minutos.
Enquanto o bolo arrefece, prepare o doce para cobrir, aquecendo a compota de maçã com um pouco de água até ficar liquida.
Cuidadosamente, passe uma faca pelos lados do bolo e retire-o da forma para um prato de servir e pincele generosamente com o doce de maçã.

23 de abril de 2015

Copos de aveia com coulis rápido de morangos



Quinze dias com ... a Mafalda Pinto Leite. Quando me ofereceram o último livro desta chefe pelo Natal, fiquei com vontade de fazer receitas novas todos os dias. Como tal não é possível, vou aos poucos experimentando as que acho mais apelativas e comecei pelo principio, ou seja, pelas manhãs e pelas receitas para o pequeno-almoço. Estes copos de aveia são simplesmente deliciosos, já os fiz várias vezes, usando leites vegetais, café e/ou sumo de laranja, mas estes vêm com iogurte, que é, juntamente com a aveia, um dos ingredientes certos dos meus pequenos-almoços. Uma forma deliciosa e energética de começar o dia, mas também podem "enfrascar" e levar para o trabalho.
Abaixo indico as quantidades referidas pela Mafalda Pinto Leite e entre parêntesis as quantidades para uma só dose.

E quem é a nossa chefe pelas palavras da nossa Susana:
"Ávida de conhecimento e com a alimentação saudável em mente, começou a cozinhar profissionalmente aos 20 anos na Escócia, seguindo a sua formação de chefe em Nova Iorque e posteriormente em Londres. Orgânico e sazonal são dois vetores-chave nas suas receitas que, já em Portugal, tenta transpor para os vários livros que publicou até à data. Mãe de quatro filhos com uma carreira construída com muito esforço, entende como ninguém o que é ter pouco tempo e recursos limitados para cozinhar, então a sua comida é necessariamente simples e descomplicada." 

















(Fonte: "As Receitas da Mafalda", de Mafalda Pinto Leite)
Ingredientes:
Para os copos:
1 chávena de flocos de aveia (2 colheres de sopa)
4 colheres de sopa de sementes de chia (1 colher de sopa)
3 chávenas de leite vegetal a gosto (1 iogurte natural)*
Adoçante natural a gosto (não usei)
1 colher de sopa de Super Berries (da MyProtein) - opcional
Para o coulis:
4 a 5 morangos
1 pitada de canela
Para servir:
Framboesas q.b. (ou outra fruta a gosto)

Preparação:
Os copos:
Misture todos os ingredientes num copo ou frasco, tape e guarde no frigorífico por umas horas ou de um dia para o outro, mexendo uma ou duas vezes para que as sementes de chia não colem.
O coulis:
Coloque os morangos cortados em pedaços e a canela num recipiente refratário e leve ao microondas na potência máxima por 1 minuto. Deixe arrefecer.
Para servir:
Cubra a mistura de iogurte e aveia com o coulis e acrescente as framboesas,

Para outros copos deliciosos (1 dose) substitua o iogurte por:
1 chávenas de café expresso e 2 de água mineral (medida: chávena de café) e acrescente 1 colher de café de cacau em pó
ou
1 chávenas de café expresso e 2 de sumo de laranja (medida: chávena de café)
ou
6 a 8 colheres de sopa de sumo de laranja

22 de abril de 2015

Feijoada



Não é uma refeição simples e leve que vos trago hoje, definitivamente não é refeição para dias acalorados, mas é um prato da nossa cozinha tradicional e, de norte a sul, confeciona-se de muitas maneiras. Como, provavelmente ainda vamos ter uns dias mais frios em que possa apetecer uma fartura destas, deixo-vos  a minha versão e que é, por sinal, também a primeira vez em que me aventuro a fazer este prato. é que não aprecio feijoadas, mas como lá por casa pairavam os desejos, arregacei as mangas e tratei de os realizar. 
A verdade é que  sendo aparentemente trabalhoso, acabou por se revelar ser um prato simples: o maior trabalho consiste em cozer as carnes previamente, o que, já estão a ver, não é trabalho por aí além, o que quer dizer que tem esta virtude associada de se poder adiantar trabalho no dia anterior. Outra virtude é ser um prato farto, que se cozinha em quantidade, mesmo que utilize poucas carnes e como nada se perde: se não tiver convivas à mesa em número suficiente para dar conta do recado pode sempre congelar o que sobrar. Outra virtude deste prato é que pode ser cozinhado com as carnes que tenham sobrado de um cozido à portuguesa: congele-as com a água em que cozeram e aproveite também a água para a feijoada. A única virtude que este prato não teve foi a de me converter às feijoadas, ou talvez não ... dispensando as carnes de porco, o resto até estava bem saboroso.



Ingredientes:
Vitela (aba) q.b.
Toucinho q.b.
Orelheira q.b.
Chouriço de carne (ou linguiça se preferir, ou ambos)
1 cebola
1 dente de alho
3 folhas de louro
1/2 lata de tomate pelado
Vinho branco q.b.
1 col café, rasa, de cominhos
1 cenoura
1/2 couve lombarda
Feijão branco cozido q.b.

Preparação:
Demolhe o feijão durante a noite e no dia seguinte coza-o em água fervente com uma folha de louro (na panela de pressão conte 20 minutos a partir do sinal de pressão).
Coza as carnes de porco com uma folha de louro e reserve.
Faça um refogado com a cebola e o dente de alho picados e azeite e junte a aba cortada em pedaços. Tempere com um pouco de sal e deixe refogar por cerca de 10 minutos.
Refresque com o vinho branco e acrescente o chouriço inteiro. Deixe refogar, com o tacho tapado mais 10 minutos.
Retire o chouriço e acrescente a cenoura cortada às rodelas, a couve cortada grosseiramente e o tomate.
Deixe levantar fervura e finalmente acrescente o chouriço cortado às rodelas, as carnes fumadas, os cominhos e o feijão cozido, juntamente com um pouco da água de cozer as carnes.
Verifique o tempero e deixe apurar por mais 10 minutos.
Sirva com arroz branco.

20 de abril de 2015

Bolinhas de avelã


Depois de experimentar o leite de avelã, fiquei com "polpa" de avelã suficiente para partir para outras aventuras. Uma receita da Gabriela Oliveira andava a marinar nas folhas do livro "Cozinha Vegetariana Para Quem Quer Poupar" e esta foi a oportunidade de ouro. Em vez de aproveitar aquelas sobras para um bolo ou pão, optei por estes "croquetes" salgados que se revelaram surpreendentes. Podem também fazê-los com frutos secos moídos ou com o que sobrar de leite de nozes ou amêndoas. Acompanhem com uma salada fresca.



(Fonte: "Cozinha Vegeteriana Para Quem Quer Poupar", de Gabriela Oliveira)
Ingredientes:
100 gr. de resíduo de leite de avelãs
1 cenoura pequena cozida
1colher de sopa de azeite
1 colher de sopa de cebola
1 colher de sopa de salsa (usei coentros)
1 colher de café de sal
Alho em pó q.b. (usei 1 dente de alho pequeno picado)
Cominhos q.b.
2 colheres de sopa de pão ralado, mais um pouco para envolver

Preparação:
Tradicional:
Coloque num processador a cenoura cozida e o azeite e triture durante 1 minuto até obter um creme.
Pique a cebola e a salsa finamente.
Numa taça envolva este creme com a avelã.
Junte a cebola, o alho e salsa picadas, o sal, os cominhos e pão ralado. Misture bem.
Com uma colher retire pequenas porções de massa e molde bolinhas, passe-as pelo pão ralado.
Leve ao forno pré-aquecido a 200º durante 15 a 20 minutos, até dourarem.
Bimby:
Coloque no copo a cenoura, a cebola, a salsa, o dente de  alho e o azeite no copo e triture 10 segundos/vel. 6.
Acrescente a avelã moída, os cominhos e o pão ralado e misture 15 segundos/vel. 3.
Com uma colher retire pequenas porções de massa e molde bolinhas, passe-as pelo pão ralado.
Leve ao forno pré-aquecido a 200º durante 15 a 20 minutos, até dourarem.


E na marmita vieram elas:

17 de abril de 2015

Quando o acompanhamento brilha - cenouras no forno com ervas aromáticas



Tenho esta e outras publicações quase prontas há cerca de uma semana e estava a ver que também não era hoje que ía conseguir publicar, mas afinal consegui.
Nesta receita quem brilha é o acompanhamento. É uma receita do chefe Gennaro Contaldo, o chefe convidado desta quinzena do "Quinze dias com o chefe" e foi escolhi-a pela sua simplicidade. Uma forma diferente de cozinhar as cenouras e que fez delas um acompanhamento perfeito de um salmão em papelote. 

E quem é Gennaro Contaldo?
"Nascido em Minori, na Costa Amalfitana, o nosso convidado é uma verdadeira referência na cozinha italiana. Tendo-se mudado para o Reino Unido no final dos anos sessenta, afirma que a caça e os cogumelos são dois dos maiores encantos daquele país. Lá fez também dois dos seus grandes amigos e colegas, que já tivemos o prazer de ter connosco: Jamie Oliver e Antonio Carluccio." - (palavras da Susana na apresentação do convidado)



As cenouras
Ingredientes:
800 gr. de cenouras
3 chalotas
1 talo de aipo (não usei, porque não tinha, mas deve fazer diferença no resultado final)
3 folhas de louro
2 colheres de chá de coentros secos
Salva fresca
Azeite q.b.
50 gr. de manteiga (não usei)
Sal q.b.
250 ml. de caldo de legumes (aproveite a água de cozedura das cenouras para o caldo)

Preparação:
Descasque as cenouras e leve a branquear em água a ferver durante 15 minutos. Coe e reserve a água.
Corte as chalotas às rodelas e o aipo em pedaços e cubra o fundo de uma assadeira.
Pouse as cenouras em cima da cebola e do aipo.
Numa taça misture o azeite, o sal e os coentros e regue as cenouras com esta mistura.
Acrescente o caldo de legumes (dissolvi um cubo de caldo de legumes caseiro na água de cozer as cenouras) e as aromáticas e espalhe os pedaços de manteiga.
Cubra com papel de alumínio e leve a assar a 190º durante 25 minutos.



O salmão:
Ingredientes:
2 postas de salmão
1 cebola
1 dente de alho grande
1 limão
Vinho branco q.b.
Sal q.b.
Ervas aromáticas a gosto (utilizei tomilho e salva)
Azeite q.b.

Preparação:
Tempere o peixe com sal, o alho cortado em tiras finas e o sumo de limão e reserve. Se possível, deixe descansar durante 30 minutos (ou mais).
Num tabuleiro de ir ao forno estenda uma folha de papel de alumínio, deixando margem suficiente para cobrir o tabuleiro.
Pincele com azeite, espalhe a cebola cortada em rodelas e pouse as postas de salmão por cima.
Espalhe as ervas aromáticas sobre o peixe, regue com mais um fio de azeite e um pouco de vinho branco, cubra com o papel de aluminio sobrante e feche as laterais.
Leve a assar por 15 minutos, findos os quais abra o "embrulho", verifique se necessita de um pouco de água para não agarrar ao papel.  
Acabe de assar com o embrulho ligeiramente aberto, para dourar um pouco.
Sirva com as cenouras e brócolos cozidos.

8 de abril de 2015

Granola crocante de quinoa


Querem mais uma receita saudável para começar o dia? Quando vi esta receita no novo livro da Mafalda Pinto Leite sabia que teria que a experimentar e digo-vos que é mesmo crocante. As nozes ficam deliciosas nesta mistura. Não há pequeno-almoço que resista.


(Fonte: "As Receitas da Mafalda", de Mafalda Pinto Leite)
Ingredientes:
2 chávenas de quinoa
1 colher de chá de canela
1/2 colher chá de gengibre em pó
1/4 colher de chá de noz moscada
1 chávena de nozes, nozes-pecan ou amêndoas (cruas e inteiras)
1/4 de chávena de coco (opcional)
3 colheres de sopa de tahini
3 colheres de sopa de adoçante ou mel (usei mel)
2 colheres de sopa azeite (ou óleo de coco)
1 colher de chá de baunilha (não usei)
1/2 embalagem de Maçã Verde desidratada Fruut (opcional)




Preparação:
Pré-aqueça o forno a 160º.
Forre um tabuleiro de ir ao forno com papel de vegetal e reserve.
Lave bem a quinoa e escorra.
Numa tigela grande coloque a quinoa, as nozes, o coco e as especiarias.
Num recipiente mais pequeno misture o tahini, o adoçante, o azeite e a baunilha.
Junte a quinoa e misture bem.
Deite a mistura no tabuleiroe espalhe uniformemente numa só camada.
Leve ao forno a assar por 10 minutos. Retire do forno e vire a mistura. Volte a colocar no forno e repita este processo mais vezes até a mistura dourar.
Retire do forno e deixe arrefecer completamente.
Junte a maçã desidratada.
Guarde num recipiente hermeticamente fechado até 2 semanas.


6 de abril de 2015

Bacalhau á Brás descontruído à nossa moda


Gostaram do título? Parece que vem aí qualquer coisa gourmet, não é? Chamar nomes aos pratos tradicionais e apresentá-los ao contrário de como estamos habituados a recebê-los à mesa  é coisa de modas e de que eu até gosto, de ver apresentar de forma diferente o nosso de sempre, mantendo-lhes ou aguçando os sabores. A gastronomia é assim mesmo, viva e por isso, sem nunca esquecer as suas raízes, de vez em quando transforma-se, mas sem mudar. 
Lá por casa ... não, não acontece assim, lá por casa gostamos de manter as tradições bem vivas, levar as assadeiras tal qual saem do forno para a mesa e "rapar o fundo ao tacho" quando haja algo para rapar e molhar o pão na travessa, por isso bacalhau à Brás desconstruído é mesmo da forma mais rudimentar: do garfo para a boca.

Ingredientes:
2 postas de bacalhau demolhado
4 batatas médias
1 cebola
2 ovos
Azeite q.b.
Salsa q.b.
Azeitonas a gosto
Óleo ou azeite para fritar



Preparação:
Lasque o bacalhau, limpando-o das espinhas e reserve.
Descasque as batatas, corte-as em palha com a ajuda de uma mandolina e coloque num recipiente com água e sal. Desta forma vão perder o amido e tornar-se mais crocantes na fritura.
Aqueça a gordura para fritar as batatas. Seque-as com um pano de cozinha limpo e frite aos poucos para que não se agarrem umas às outras até ficarem douradas. à medida que forem ficandoo fritas retire-as para uma travessa coberta com 2 ou 3 folhas de papel absorvente.
Corte a cebola às rodelas finas.
Deite um fio de azeite numa sertã funda e junte a cebola, deixe fritar lentamente até amolecer, mas sem ficar crocante.
Junte o bacalhau desfiado e envolva. Acrescente azeite se necessário (já sabe que o bacalhau adora azeite). Deixe cozinhar por cerca de 10 minutos, mexendo amiúde com a colher de pau.
Junte as batatas fritas e envolva no preparado de bacalhau. A mistura deve estar húmida.
Bata os ovos e, com o lume baixo, vá deitando lentamente sobre a mistura na sertã envolvendo sempre para que os ovos não fritem. Deve ficar uma mistura macia, mais ou menos seca conforme o seu gosto (lá por casa gostamos deste prato um pouco mais sobre o seco).
Sirva de imediato polvilhado com salsa picada e azeitonas a gosto.


3 de abril de 2015

Anho de festa



Na minha mesa de Páscoa, normalmente é servido o cabrito no forno com o seu arroz de miúdos, mas às vezes trocamos o cabrito pelo borrego ou pelo anho, embora o primeiro continue a ser o favorito, pelo seu sabor e pelo facto de não ter tanta gordura, mas não deixa de ser uma opção pelo seu preço mais convidativo e porque consegue também fazer uma refeição muito saborosa (mas não repitam muitas vezes, ok?)

Ingredientes:
1/4 de anho (parte traseira)
1 laranja
2 limões
Água q.b.
4 dentes de alho
2 folhas de louro
Alecrim fresco a gosto
1 colher de chá de colorau
1 copo de vinho branco
1 cebola
1 cenoura
Sal q.b.
Azeite q.b.



Preparação:
Lave o anho e coloque-o num alguidar coberto com água fria e rodelas de 2 limões e 1 laranja. Deixe repousar pelo menos durante uma tarde (na véspera de o cozinhar).
No dia seguinte retire o anho da água e seque-o. Retire algumas das gorduras em excesso.
Num almofariz faça uma pasta com os alhos picados, as folhas de louro e de alecrim, o colorou e um pouco de azeite.
Barre todos o anho com esta pasta e deixe-o apurar os sabores durante 1 hora. Regue com o vinho e deixe marinar de um dia para o outro (no dia seguinte de manhã, vire-o e deixe ficar assim até à hora de cozinhar).
Descasque  a cebola e a cenoura e corte-as às rodelas. Cubra o fundo de um tabuleiro de forno com elas, polvilhe com um pouco de sal e regue com um fio de azeite.
Com uma faca afiada faça uns golpes na capa do borrego e pouse-o no tabuleiro com essa capa virada para cima. Polvilhe com sal a gosto e regue com um fio pequeno de azeite e a marinada.
Leve a assar em forno pré-aquecido a 220º durante 20 minutos e reduza a temperatura para 180º até assar, regando de vez em quando com os líquidos que largar.
Acompanhe com arroz e grelos salteados.

1 de abril de 2015

Folar de carnes


Para esta edição do "Dia 1 na cozinha", as suas mentoras desafiam-nos a apresentar um folar de Páscoa. Doce ou salgado, mais ou menos típico, ou não. Ora, eu andava ansiosa por fazer um folar de carnes e com o ovo, que não mais que simboliza o renascer, sentimento este que é também o mote desta festa religiosa. 
Acabei por escolher seguir uma receita da revista "Bimby - Momentos de Partilha", embora lhe tenha dado outra aparência. A escolha revelou-se ser uma boa escolha, já que a massa ficou fantástica. Substituí parte da farinha de trigo comum por farinha de kamut, o que lhe deu uma cor mais rústica, só revelei alguma "azelhice" ao colocar o ovo, que acabou por se afundar na massa levedada.   

O que não conhecia era a história do "folar" que a Aida Filipa, a Isabel Fernandes e a Isabel Figueiredo Patricio  nos deram a conhecer e que tomo a liberdade de a transcrever aqui:


"Reza a lenda que, algures em Portugal, vivia Mariana, moça cuja única aspiração era casar. Com as suas rezas a Santa Catarina logo lhe acudiram dois pretendentes: um jovem fidalgo e um pobre lavrador. Depois do auxílio divino, Mariana escolheu o pobre lavrador.
Na véspera do Domingo de Páscoa, porém, orava ainda atormentada com a ideia de que o fidalgo apareceria no dia do matrimónio para executar o seu noivo e por isso, no dia de Páscoa, levou uma coroa de flores ao altar de Santa Catarina pedindo clemência. Chegada a casa tinha um bolo com ovos inteiros, rodeado com as flores que havia posto no altar naquela manhã. Mais tarde, descobrira que também o jovem fidalgo e o pobre lavrador o tinham recebido. Obra de Santa Catarina, segundo ela, como forma de acabar com as disputas."
Este bolo chamava-se "folore" e tornou-se no simbolo de paz e reconciliação, exaltando "a amizade entre amigos, familiares e vizinhos reunidos à mesa em tempo Pascal".



Boa Páscoa!!

(Fonte: Bimby Momentos de Partilha - Abril 2014)
Ingredientes:
100 ml de água
50 gr. de manteiga à temperatura ambiente
50 gr. de açúcar
20 ml de azeite
1 cubo de fermento de padeiro fresco
160 gr. de farinha de trigo T55
150 gr. de farinha de Kamut (MyProtein)
2 ovos
1/2 colher de chá de sal
Paio, chourição e presunto a gosto



Preparação:
Coza 1 dos ovos e reserve.
No copo da Bimby coloque a água, o azeite, a manteiga, o açúcar e o fermento e programe 2 minutos/37º/vel. 1.
Junte as farinhas, o ovo restante e o sal e amasse 2 min/vel. espiga.
Transfira a massa para uma taça, cubra com um pano e deixe levedar por 50 minutos num local morno ou até a massa dobrar de volume.
Unte o fundo de uma forma redonda com azeite ou óleo, cubra com uma rodela de papel vegetal e unte o papel. Reserve.
Estenda amassa em forma de rectângulo numa superfície enfarinhada, reservado cerca de 50 gr. para enfeitar no fim.
Espalhe as carnes pela massa, mesmo até ás extremidades do lado mais curto. Enrole como se fosse uma torta e feche em circulo. Transfira para a forma.
Coloque o ovo no centro do folar e enfeite com rolinhos da massa que reservou.
Pincele com uma gema de ovo batida (ou com leite, mas fica menos brilhante).
Deixe descansar por 15 minutos e leve a assar por 40 minutos em forno pré aquecido a 200º.






30 de março de 2015

Pêras bêbadas assadas




Posso dizer que esta edição do "Quinze dias com o chefe..." foi bastante rentável. Depois da sopa para entrada, do peru escalfado para o conduto, faltava a sobremesa. Como adoro pêras bêbadas e há muito tempo que as não servia, resolvi fazê-las para a sobremesa do Domingo de Ramos. A calda aromatizada com o louro deixou-me curiosa (usei só uma folha com receio que o aroma se sobrepusesse, mas da próxima arrisco mais um pouco) e o facto de as levar ao forno antes de servir era também original, embora no resultado final não me parecesse ser muito relevante. 


(Fonte: Annabel Langbein)
Ingredientes:
2 chávenas de açúcar ou 1 e 1/2 de açúcar+1/2 de mel sei 1 de açúcar+1/4 de mel)
3 chávenas de vinho tinto
2 paus de canela
4 folhas de louro (usei apenas 1)
1 vagem de baunilha
6 a 8 pêras, descascadas, mas com a haste
Crème fraiche (ou natas espessas ou iogurte grego natural) para servir



Preparação:
Escolha um tacho onde as pêras caibam de pé numa única camada.
Aqueça o açúcar e o vinho com o mel, a canela, o louro e a baunilha, mexendo até o açúcar se dissolver.
Se necessário, corte a base das peras para que se mantenham de pé.
Coloque as pêras no tacho, de forma a que as pêras fiquem o mais possível cobertas pelo vinho.
Deixe cozer, lentamente, por 30 minutos ou até as peras estarem tenras, virando ocasionalmente.
Retire do lume e deixe arrefecer, depois transfira as pêras e a calda para um recipiente tapado, deixando-as no frigorifico no minimo por 24horas ou até 3 dias, virando-as ocasionalmente para que fiquem com uma cor uniforme.
Retire as peras da calda e coloque-as num tabuleiro de forno, de bordas baixas.
Deite a calda num tacho, deixe levantar fervura em lume alto, reduza e deixe ferver durante cerca de 20 minutos ou até reduzir para metade e retire as especiarias.
Quando for a altura de servir as pêras, pré-aqueça o forno a 220º, pincele as peras abundantemente com o xarope formado pela calda e asse por 12 a 15 minutos.
Pincele-as novamente com o xarope quando as retirar do forno.
Distribua-as pelos pratos, regue com uma colher de sopa cheia do xarope  e acompanhe com crème fraiche ou outro acompanhamento a gosto (eu prefiro o iogurte grego não açucarado).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...